Curando a Inveja: Olhando para Deus, não para os outros.

CLIQUE AQUI PARA VISUALIZAR O GUIA EM PDF.

Salmo 73

ouvidos-atentos

Você já sentiu inveja de alguém? Achou que a vida daquela pessoa era melhor que a sua, ou que ela tivesse mais oportunidades, talentos, pertences? No Salmo 73, o salmista expressa inveja dos ímpios—pessoas que rejeitam a Deus, mas parecem prosperar de qualquer forma. São prósperas, têm saúde, e parecem viver impunes numa vida pecaminosa. O salmista estava permitindo que o comportamento alheio afetasse a sua espiritualidade; que o modo ímpio de viver dos outros comprometesse a sua fé na virtude de uma vida com Deus. Neste domingo examinamos esse salmo para entender como o cristão pode avaliar a sua vida e norteá-la a partir das prioridades de Deus.

Observamos o texto do salmo em quatro partes, e o colocamos como passos para viver uma vida norteada pelas prioridades de Deus. Primeiro, precisamos parar de olhar para os outros para determinar a nossa espiritualidade e rumo de vida. A Bíblia deixa bem claro que não podemos confiar no homem para nossa salvação ou força (Je 17.5-10), não devemos temer ao homem (Pv 29.25), nem procurar agradar o homem (Gl 1.10), e nem pensar que somos melhores que os outros (Lc 18.9-14). Por isso devemos ir para o santuário de Deus. Para o salmista, isso significava um lugar físico que o lembrava de Deus, da necessidade do sacrifício pelo pecado, como também o destino final dos ímpios. Para nós que somos templo do Espírito Santo, podemos pensar nisso como uma busca pelo entendimento da santidade e presença de Deus. Essa busca nos levará a fitar os olhos em Deus. Como o salmista, lembraremos da justiça de Deus, da Sua misericórdia e da Sua fidelidade. Isso nos levará a pensar em Deus como o nosso tesouro maior, e portanto faremos como alvo da nossa vida viver na presença de Deus. A presença de Deus é uma verdade objetiva que muitos procuram “sentir” (experiência subjetiva). Certamente o entendimento da sua presença afetará todo o nosso ser, mas começa por uma decisão de fazer de Deus o nosso refúgio.

coracoes-abertos

A aplicação espiritual do que aprendemos domingo segue naturalmente da leitura do texto e dos passos indicados na mensagem.

Você está olhando para outras pessoas para nortear a sua vida espiritual?

Como vimos no domingo, existem inúmeras maneiras de olhar para as outras pessoas e chegar a conclusões erradas. Você têm inveja de alguém (ímpio ou santo)? Acha que sua vida seria melhor se tivesse as oportunidades, a riqueza, as pessoas, ou o que seja, que essa pessoa tem? Você está permitindo que a espiritualidade alheia, ou falta dela, influencie a sua vida com Deus?

Você entende a sua identidade em Cristo como habitação de Deus?

No contexto de pureza sexual, Paulo disse aos cristãos coríntios: “Acaso não sabem que o corpo de vocês é santuário do Espírito Santo que habita em vocês, que lhes foi dado por Deus, e que vocês não são de si mesmos? Vocês foram comprados por alto preço. Portanto, glorifiquem a Deus com o corpo de vocês” (1 Co 6.19, 20). Você já parou para considerar que a realidade para o cristão não é apenas que Deus está presente em todo lugar, mas que Ele de fato habita nele? Que impacto isso tem na sua percepção do peso do pecado diante do Deus santíssimo que habita em você?

Você tem uma visão completa (ou pelo menos crescente) de quem Deus é e de como isso deve impactar a sua vida? 

É simplesmente impossível estudar e meditar nos atributos de Deus de uma forma real sem ser impactado. Com que frequência você estuda os textos bíblicos pensando em como eles revelam a natureza e essência de Deus? Quanto você procura aprender quem Deus é na Palavra?

Você vive na presença de Deus?

Como falamos, a presença de Deus não se define subjetivamente; não é primeiramente uma experiência, é uma realidade declarada. Ele está presente; quanto você vive com a consciência dessa verdade?

maos-estendidas

A presença de Deus não se baseia nos nossos sentimentos; ou seja, não sabemos se estamos ou não em Sua presença porque a sentimos (ou não). Por outro lado, quando acreditamos verdadeiramente na presença de Deus como ela é revelada na Bíblia, certamente podemos sentir maravilhamento, temor e outras fortes emoções ao entender a incrível verdade daquilo que Deus nos proporciona.

Use o Salmo 139 como o exercício para entender a presença de Deus.

Entendimento. Leia o salmo inteiro, procurando entender especificamente o que revela sobre a natureza, a essência e o caráter de Deus. Anote os atributos de Deus revelados direta ou indiretamente. Anote também o que o texto explica sobre a sua natureza e essência como ser humano. Que atitudes e comportamentos o texto encoraja a partir do conhecimento de Deus?

Confissão. Sempre que nós aprendemos algo novo sobre Deus (ou lembramos de algo que esquecemos), devemos avaliar o quanto a nossa vida reflete essa verdade ou esse princípio. Ao ler o salmo novamente, procure entender onde o seu caminho não se alinha com o caminho traçado por Deus, e confesse seu pecado a Deus.

Arrependimento. Confissão é o primeiro passo; precisamos também tomar a decisão de não recair no pecado. Determine passos norteados pela leitura, e anote num papel com a finalidade de lembrar das decisões tomadas.

Gratidão. Como já falamos, a gratidão é a vacina contra a insatisfação. Uma das razões que tiramos nossos olhos de Deus e começamos a olhar para os outros é por falta de reconhecer o que Deus faz em nosso favor, e de agradecer a Ele de forma consciente. Aliste coisas pelas quais você é grato a Deus. Use a leitura como um ponto de partida.

Súplica. O Salmo 139 termina com uma súplica que serve como excelente direção para as nossas orações: “Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração; prova-me, e conhece as minhas inquietações. Vê se em minha conduta algo que te ofende, e dirige-me pelo caminho eterno” (vv. 23, 24). Deus quer que nós façamos petições a Ele! Procure fazer por um filtro de humildade e consciência, tanto da grandeza dEle como da sua própria pequenez e necessidade.

mentes-ocupadas

Dia 1

Salmo 73.1-28

Dia 2

Jeremias 17.5-10

Dia 3

Provérbios 9.10; 29:25

Dia 4

Gálatas  1.1-10

Dia 5

Salmo 139.1-24

Dia 6

Lucas 18.9-14

Dia 7

Hebreus 12.1-3

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *