Abri! Colossenses (3): A Ressurreição de Cristo

CLIQUE AQUI PARA VISUALIZAR O GUIA EM PDF.

ouvidos-atentos

Neste domingo continuamos a minissérie da nossa nova tradição IBABI: estudar um livro inteiro no quarto mês do ano, o mês de Abriu? Nessa terceira mensagem, estudamos sobre o significado da ressurreição de Cristo na vida diária do cristão.

No capítulo 2 Paulo explicou o efeito que a participação na morte de Cristo tem na vida dos salvos. Jesus Cristo, a Vida (Jo 11.25, 26; 14.6), veio ao mundo dos mortos e morreu na cruz para nos livrar da ira de Deus que vem contra todo e qualquer pecado. Na Sua morte, Ele venceu o pecado, e todos os laços escravizadores que nos atrelam a esse mundo pecaminoso. Paulo apela ao cristão pela sua participação na ressurreição de Cristo: “Portanto, já que vocês ressuscitaram com Cristo, procurem as coisas que são do alto, onde Cristo está assentado à direita de Deus. Mantenham o pensamento nas coisas do alto, e não nas coisas terrenas” (vv. 1, 2). Lembramos que Cristo, a Ressurreição (Jo 11.25, 26), ressuscitou dos mortos e voltou para o Pai, onde Ele intercede por nós e nos prepara um lugar para vivermos com Ele eternamente. Na Sua ressurreição, Ele venceu a morte, e garante a vida eterna para aqueles que nEle creem. Além de uma vida eterna futura, Cristo possibilita uma vida nova presente, portanto devemos ter os pensamentos voltados para essa nova vida.

Para descrever a dinâmica dessa nova vida, Paulo usa dois pares de conceitos: morte/vida e despir-se/vestir-se. Ele constrói um argumento que apela para a lógica: se em Cristo nós morremos para a velha vida, por que deveríamos continuar escravizados às coisas terrenas, do mundo da morte? Morremos em Cristo para essas coisas, devemos nos despir delas. A lista de Paulo é grande, mas não é exaustiva: imoralidade sexual, impureza, paixão, desejos maus, ganância (que é idolatria), ira, indignação, maldade, maledicência, linguagem indecente e mentira. Por outro lado, se ressuscitamos com Cristo para uma nova vida, faz sentido nós nos revestirmos das coisas da vida nova: profunda compaixão, bondade, humildade, mansidão, paciência, suportar mutuamente, perdoar mutuamente, amor (elo perfeito), paz (juiz), unidade e gratidão a Deus.

coracoes-abertos

Para qualquer estudante sério da Palavra, um dos grandes desafios é entender como aplicar, de forma prática e factível, os mandamentos e princípios revelados nas Escrituras. “Tudo bem, eu li Colossenses, e entendo que na salvação eu morri com Cristo para a vida do pecado e ressuscitei com Cristo para uma vida nova. Mas como eu consigo viver isso diariamente quando não sinto uma diferença em minha vida?”

O cerne da vida cristã é aceitar, pela fé, a verdade objetiva declarada por Deus, mesmo quando ela ainda não parece bater com a realidade que vivemos atualmente (experiência subjetiva). Discutimos o conceito do “agora…ainda não” de 1 João 3.1, 2. Deus declara que aquele que crê é (agora) um filho de Deus (Jo 1.12), mas até Jesus voltar e nós alcançarmos a glorificação completa, viveremos em situações onde não parece que somos filhos (ainda não). O como se torna possível quando temos a esperança dessa verdade se realizar, portanto vivemos como se já fosse fato realizado (1 Jo 1.3).

Vivendo a verdade objetiva. Você está vivendo o agora como se já estivesse sentado como “nas regiões celestiais com Cristo” (Ef 2.6)? Pense sobre os seus comportamentos diários. Eles são mais direcionados à realização de metas e princípios de Deus, ou do mundo? E os seus pensamentos? Se encontram “no alto”, ou continuam seguindo os hábitos do velho homem?

Moldando a experiência subjetiva. Você vive preso ao ainda não (ainda não parece que sou filho de Deus)? O que é mais comum, fazer o que vem “naturalmente” ao seu coração, ou disciplinar o seu coração a pensar espiritualmente? Você tem alguma prática espiritual para treinar sua mente e o seu corpo para viver as verdades e os princípios bíblicos? Como você está colocando em prática o procurar “as coisas que são do alto”?

maos-estendidas

Guia de leitura do livro de Colossenses (assinale para cada leitura diária): 

☐ 1 ☐ 2 ☐ 3 ☐ 4 ☐ 5 ☐ 6 ☐ 7

Paulo expressa as instruções do capítulo 3 na forma de causa e efeito: já que vocês ressuscitaram com Cristo (verdade objetiva), vivam dessa forma (experiência subjetiva). Vamos aplicar esse conceito de forma prática:

Já que…o quê? 

Se os meus pensamentos e comportamentos se baseiam em verdades objetivas das Escrituras, é necessário que eu conheça e entenda essas verdades da forma que foram reveladas por Deus. Que verdades ou princípios são declarados ao longo da carta aos Colossenses? Use as afirmações sobre a pessoa e obra de Cristo (do último guia) para desenvolver uma lista dessas verdades para aplicar à sua vida espiritual.

Portanto…

Devo mortificar (ou me despir de) os desejos e os hábitos da vida pecaminosa. Já existe uma lista de pensamentos e práticas a serem abandonadas no livro de Colossenses. Mas quais delas são lutas pessoais para você? Tem algum desejo ou pecado que não consta na lista, mas que você reconhece? Aliste-as, e comece o processo, em Cristo, de eliminar essas coisas da sua vida.

Devo viver (ou me revestir de) os princípios e os hábitos da vida em Cristo. Não adianta apenas remover maus hábitos, precisamos substituí-los com bons hábitos espirituais. Estude a lista de Colossenses (e outras da Bíblia) e desenvolva um plano de ação para implementar essas “coisas do alto” em sua vida diária.

mentes-ocupadas

Dia 1

O livro de Colossenses

Dia 2

O livro de Colossenses

Dia 3

O livro de Colossenses

Dia 4

O livro de Colossenses

Dia 5

O livro de Colossenses

Dia 6

O livro de Colossenses

Dia 7

O livro de Colossenses

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *