Entendendo a Culpa

CLIQUE AQUI PARA VISUALIZAR O GUIA EM PDF.

Salmo 103.8-14

ouvidos-atentos

Você ou alguém que você conhece vive com a consciência pesada? Talvez até um sentimento escravizador de culpa? Nesse domingo estudamos a culpa pela lente da verdade bíblica ensinada acerca dos nossos pecados no Salmo 103. Como é confortante saber o que Deus revela na Sua Palavra sobre a nossa culpa (ou falta dela em Cristo)!

Observamos que a Bíblia ensina um conceito de culpa bem diferente do conceito do mundo. Já que a verdade é considerada relativa na sociedade, muitos que devem sentir tristeza ou vergonha pelas suas transgressões de fato não sentem. Por outro lado, pessoas salvas em Cristo, que são verdadeiramente justificadas, vivem sob o peso constante de culpa avassaladora.

Por isso, examinamos um fluxograma para entender a diferença entre culpa objetiva (uma declaração judicial—CO) e culpa subjetiva (uma experiência pessoal—CS). Veremos mais a respeito disso na seção “Corações Abertos”, mas podemos resumir que, biblicamente, cada pessoa é pecadora, portanto é culpada (CO) diante de Deus. Isso pode ou não causar sentimentos de culpa (CS). Em Cristo fomos justificados (Rm 5.9; 2 Co 5.21), portanto não temos mais culpa (CO). Essa é a situação descrita no Salmo 103. Deus não é acusador dos santos, pois removeu os nossos pecados completamente da nossa vida.

Como o salmista, devemos entender e meditar nas qualidades de Deus (vv. 8-10): Ele é compassivo, portanto não nos retribui conforme as nossas iniquidades; Ele é misericordioso, por isso não nos trata conforme os nossos pecados; Ele é paciente, e assim não fica ressentido para sempre; e Ele demonstra amor leal à Sua aliança portanto não acusa sem cessar. Também é importante lembrar dos Seus benefícios (vv. 11-14): o salmista emprega dois superlativos para demonstrar a grandeza do amor e da obra de Deus. A altura dos céus e a distância de “como o Oriente está longe do Ocidente” (v. 12) são coisas imensuráveis; o Seu amor e Sua misericórdia excedem o nosso entendimento. E como Pai, Ele tem compaixão por aqueles que reconhecem a Sua grandeza (temor), e Ele reconhece a nossa pequenez.

coracoes-abertos

Como vimos no fluxograma, é necessário entender a diferença entre culpa objetiva (uma declaração judicial—CO) e culpa subjetiva (uma experiência pessoal—CS). Qualquer atitude ou comportamento que contraria os mandamentos diretos ou os princípios da Palavra de Deus é pecado, quem o faz é culpado de uma transgressão diante de Deus (CO). A aplicação prática dessas verdades na vida diária dependem do entendimento da pessoa a respeito da lei de Deus e a justiça de Deus oferecida em Cristo:

Alguns têm culpa (CO), mas não se sentem culpados (CS). Nessa situação, a pessoa não entende a verdade bíblica acerca do pecado. Pode ser alguém descrente, que não sabe do seu pecado. Infelizmente, alguns cristãos—que entendem sobre o pecado—ainda assim são impenitentes ou demonstram auto-justiça, portanto não se arrependem e confessam o seu pecado. Caso não haja salvação (no caso do descrente) ou quebrantamento, arrependimento e confissão, essas pessoas continuarão no pecado.

Outros têm culpa (CO), e se sentem culpados (CS). Talvez seja a pessoa que mais sofre, pois vive ciente da culpa, escravizada pelo sentimento de culpa, e não entende a solução e grande liberdade que está em Cristo Jesus. A tendência é ter grande tristeza, improdutividade e falta de fé. É necessário mais conhecimento da Palavra de Deus, para amadurecer e entender a justificação.

Alguns cristãos não têm culpa (CO), mas se sentem culpados (CS). Muitas vezes essa situação é herdada das famílias ou igrejas—pessoas ensinadas a pensar que certos comportamentos ou atitudes são errados, mesmo quando têm liberdade em Cristo para fazê-los. Uma pessoa nessa situação tem tendências semelhantes à situação anterior, e também precisa de mais maturidade na Palavra para viver a liberdade em Cristo.

Poucos entendem que não têm culpa (CO), nem se sentem culpados (CS). Será que isso é realmente possível? Bom, viver sem culpa (CO) é uma realidade; não depende da nossa aceitação. Se você conhece a Cristo como Salvador, você já foi justificado. Não há mais condenação para você (Rm 8.1). No entanto, entender isso, juntamente com a dinâmica dos pecados diários, é mais difícil. Precisamos de crentes com TAC (não TOC): quando pecam, sentem Tristeza de Deus que leva ao Arrependimento (2 Co 7.9, 10) e Confissão (1 Jo 1.9).

maos-estendidas

Essa verdade tem tantas aplicações práticas quanto pessoas no mundo, pois cada pessoa tem uma história singular, só dela, que influencia e direciona as suas atitudes e comportamentos ao longo da sua vida.

A beleza das Escrituras é que a solução em Cristo se aplica a toda e qualquer situação. Já que “a fé vem pelo ouvir, e o ouvir pela Palavra de Deus” (Rm 10.17), o primeiro passo para qualquer avanço espiritual é “ouvir”—ouvir, ler, entender, considerar—a Palavra. O segundo passo é a fé—acreditar no que Deus diz.

Sozinho, ou com a ajuda de um cristão maduro e amigo, avalie a sua vida para entender em qual destas situações você se encaixa:

Você tem culpa (CO), mas não sente culpa (CS)?
Tem culpa (CO), e se sente culpado (CS)?
Não tem culpa (CO), mas se sente culpado (CS)?
Não tem culpa (CO), nem se sente culpado (CS)?

Qual o seu entendimento do ensinamento bíblico acerca da lei de Deus? O que Romanos 3 ensina a respeito da sua responsabilidade (CO) pela sua natureza pecaminosa? Pelos seus pecados individuais? Que outros textos bíblicos ensinam, direta ou indiretamente, a respeito dessa responsabilidade?

Qual o seu entendimento do ensinamento bíblico acerca da justiça de Deus e justificação em Cristo? Você entende o que é a “justificação”? Entende como Deus remove a culpa (CO) dos seus pecados e dá a justiça de Deus em Cristo (2 Co 5.21)? A Bíblia ensina então que uma vez salvo (justificado), posso pecar à vontade? Que textos respondem a essa questão de liberdade em Cristo versus licenciosidade?

Qual o seu entendimento do ensinamento bíblico acerca do sentimento de culpa (CS)? Se Deus “não acusa sem cessar” (Sl 103.9) e “não há condenação para os que estão em Cristo” (Rm 8.1) o cristão deve viver sob o peso de um sentimento de culpa? Qual o sentimento que Deus procura no cristão, de acordo com 2 Co 7.9, 10? Que outros textos ensinam, direta ou indiretamente, sobre o arrependimento, confissão e perdão dos pecados dos salvos?

mentes-ocupadas

Dia 1

Salmo 103.1-22

Dia 2

Romanos 3.1-23

Dia 3

Romanos 5.1-10

Dia 4

Romanos 6.1-23

Dia 5

2 Coríntios 7.8-11

Dia 6

Romanos 8.1-4

Dia 7

1 João 1.1-2.2

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *