Atingindo o Ponto Crítico (2): Exultação Vazia

CLIQUE AQUI PARA VISUALIZAR O GUIA EM PDF.

ouvidos-atentos

Neste domingo, na segunda mensagem da minissérie “Atingindo o Ponto Crítico” (da série “Podes Crer”), estudamos o texto que registra a entrada triunfal de Cristo (Jo 12.12-19). Observamos a história em si, que no evangelho de João, é bem resumida. Interessado no seu alvo de levar o leitor a crê em Jesus como o Cristo (Jo 20.30, 31), ele não explicou alguns detalhes do contexto que os outros evangelistas relataram. Ele focou na crise que estava se desenvolvendo à volta de Jesus: o ressurgimento da popularidade dEle por causa da ressurreição de Lázaro, a realização das palavras proféticas de Zacarias 9.9 (que os discípulos só perceberam depois), e a reação invejosa e irada dos líderes religiosos. A conspiração para matar Jesus estava se fortalecendo cada vez mais, mesmo com a atitude exultante do povo.

O texto em si tem a função de avançar a narrativa e lógica de João e não de oferecer profundos ensinos teológicos. Podemos, no entanto, observar o contraste entre as atitudes da multidão neste momento da entrada triunfal e apenas uma semana depois, na crucificação de Jesus. Este contraste nos ensina alguns princípios interessantes sobre o pensamento “democrático” da maioria, e por sua vez, uma aplicação às atitudes do nosso coração. Vimos três verdades sobre a multidão neste contexto:

  • A maioria nem sempre está certa.
  • a opinião da maioria é arbitrária.
  • e a maioria tende a ser interesseira.

Biblicamente, vemos que justiça e retidão, o certo e o errado, não são determinados pelo consenso da maioria. Há um caminho que parece certo ao homem (mas conduz à morte), mas para Deus só há um caminho verdadeiramente certo, e é Jesus Cristo.

coracoes-abertos

A sociedade ensina que o consenso da maioria estabelece o certo e o errado; ao mesmo tempo, incoerentemente, ensina que cada indivíduo deve seguir o seu coração. Ambos pensamentos estão errados. Observamos no domingo que o coração se comporta de forma muito parecida com a multidão, por isso a nossa “adoração” pode ser tão vazia quanto a exultação daquela multidão na entrada triunfal.

O coração nem sempre está certo. Lembramos que Deus declara que “o coração é mais enganoso que qualquer outra coisa” (Jr 17.9). Em que baseamos o nosso senso do que é certo e o que é errado? Pense nas discussões ou desentendimentos que você teve recentemente: o que prevaleceu, sua opinião subjetiva e arbitrária, ou a verdade absoluta e autoritativa da Palavra de Deus? E na tomada de decisões, grandes ou pequenas, quem fala mais alto, o seu coração, ou Deus?

A opinião do coração é arbitrária. Você já mudou de ideia sobre alguma coisa ou alguma pessoa? Esta mudança foi justificada por algum princípio ou mandamento bíblico, ou por algum pensamento subjetivo do seu coração? O que podemos ou devemos fazer quando o coração deseja algo diferente do que a Bíblia ensina?

O coração tende a ser interesseiro. Nosso estudo do evangelho de João já demonstrou nitidamente que a multidão de “discípulos” que seguiam a Jesus procuravam os seus próprios interesses: milagres, maravilhas, alimento, etc. A fé verdadeira é aquela que “busca primeiro o reino de Deus e sua justiça” (Mt 6.33); que busca a glória de Deus acima de todas as coisas. Há benefícios para aquele que segue a Deus? Claro! Mas a busca por benefícios próprios não pode ser o que nos motiva. A sua fé tem como alvo a glória de Deus em Cristo, ou algum benefício próprio? A sua adoração transborda de um coração com prioridades eternas, ou interesses transitórios desta vida?

maos-estendidas

O livro de Tiago é um ótimo lugar para entender algumas dinâmicas do coração referente aos desejos que ele produz.

Leia os seguintes textos e responda as perguntas abaixo:

Tiago 1.13–15. A palavra aqui traduzida “cobiça” (ou “concupiscência”) significa literalmente “um forte desejo”, que em alguns contextos é traduzida como algo negativo.

Como este texto é um exemplo do princípio que estudamos, “o coração nem sempre está certo”?

Quais são as três partes da dinâmica de tentação e pecado que Tiago descreve? Em qual destas partes precisamos batalhar para evitar a ação pecaminosa?

Tiago 3.2–12. Aqui temos um exemplo nítido da arbitrariedade do coração, especialmente na descrição da língua dos vv. 9-12. Aqui fala da língua, mas convém lembrar que “a boca fala do que o coração está cheio” (Mt 12.34).

Que duas coisas opostas a língua está fazendo nestes versículos?

Quais seriam alguns exemplos disto no cotidiano?

O que aprendemos de Romanos 8 que nos ajudaria a combater a nossa língua traiçoeira?

Tiago 4.1-3. Já estudamos este texto várias vezes para falar da dinâmica por trás dos conflitos que observamos entre pessoas.

Como os conflitos que temos com outras pessoas começam a partir de um coração interesseiro?

Qual a solução oferecida no texto: não obtemos o que queremos por quê?

A solução é “se eu pedir a Deus, Ele dará”? O que tem que estar alinhado com o caráter de Deus para que eu receba? Você acha que isso mudará os nossos desejos?

mentes-ocupadas

Dia 1

João 12.12-19

Dia 2

Provérbios 14.1–12

Dia 3

Mateus 7.12-14

Dia 4

Tiago 3.2-12

Dia 5

Hebreus 13.7–17

Dia 6

Jeremias 17.5–10

Dia 7

Zacarias 9.9–13

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *