Atingindo o Ponto Crítico (1): Adoração Verdadeira

CLIQUE AQUI PARA VISUALIZAR O GUIA EM PDF.

OUVIDOS ATENTOS

Neste domingo voltamos à série Podes Crer com o início de uma nova minissérie para o mês de novembro: “Atingindo o Ponto Crítico”, um estudo do capítulo 12 do evangelho de João. A primeira frase do capítulo—“seis dias antes da Páscoa…” (v. 1)—indica que os eventos descritos em João 12-19 aconteceram na última semana do ministério de Jesus.

Na mensagem de domingo examinamos uma cena de adoração verdadeira, quando Maria, irmã de Lázaro, ungiu os pés de Jesus com um perfume caro, o nardo, que era usado no preparo dos corpos para o sepultamento. Diante desta cena, João registra a reação de Judas Iscariotes: ele a acusou de desperdício, falando que aquele valor, que representava um ano de salário, poderia ser dado aos pobres.

Contrastamos as atitudes de Judas e Maria, pois representam duas posições extremas entre a incredulidade e a fé. Judas, por sua falta de fé, colocava o seu plano acima do plano de Deus, portanto justificava colocar os seus próprios interesses acima dos interesses dos outros. (Pois ele de fato não queria ajudar os pobres, mas roubava da bolsa que os discípulos tinham em comum.) Maria, por sua vez, demonstrou sua fé em Jesus e assim colocou a glória de Deus acima dos seus próprios planos, portanto pôde derramar o que tinha de mais precioso aos pés do Seu Salvador. Observamos que ambos foram usados por Deus para o Seu plano. No caso, Judas foi usado como instrumento para trair Jesus. Maria foi usada para servir Jesus, e pelo seu ato sincero de adoração, a Bíblia registra o seu serviço como grande exemplo para nós.

CORAÇÕES ABERTOS

Nós examinamos o contraste entre as atitudes de Judas e Maria, que pode ser aplicado à nossa vida espiritual.

Imitamos Judas quando demonstramos as seguintes qualidades:

Somos orgulhosos. Você já expressou uma opinião forte sobre o que outras pessoas poderiam ou deveriam fazer para servir a Deus? Você acha que sua opinião acerca dos outros tem mais valor do que a opinião deles?

Somos egoístas. Você já fez algo que tinha aparência de altruísmo, mas na verdade era egoísta? Fez uma boa ação para alguém, sabendo que, no seu coração, sua motivação não era amor, mas algo que você receberia (atenção, benefício) por ajudá-lo?

Somos hipócritas. Você já usou uma “máscara”—algo que transmitia a aparência de uma atitude oposta àquela que estava sentindo? Quais são alguns exemplos deste tipo de falsidade?

Somos incrédulos. Não estamos falando de pessoas não salvas, necessariamente. Como cristão, você já pensou da seguinte forma: “sei que Deus quer esta atitude ou comportamento, mas não acredito que seja possível, então não vou fazer!”

Por outro lado, imitamos Maria quando demonstramos as seguintes qualidades:

Somos humildes. Você coloca Deus acima de tudo, inclusive a sua reputação ou seus próprios planos e desejos?

Somos verdadeiramente altruístas. Você pratica o altruísmo que flui de uma vida completamente entregue ao amor por Deus acima de qualquer outra coisa?

Somos transparentes. Seu amor por Deus e os outros transborda de um coração amoroso? Ou você tem que se esforçar para demonstrar amor?

Somos crentes. Você obedece ao plano de Deus, mesmo quando não faz sentido para você? Você pratica as coisas nas quais professa acreditar?

MÃOS ESTENDIDAS

Vamos falar de valores…

Já falamos várias vezes sobre aprender e adotar os valores de Deus. Usado desta forma, “valores” são os princípios que Deus mantém como importantes, como os atributos comunicáveis de Deus—santidade, amor, paciência, justiça, etc. “Valores” também podem representar uma ideia monetária, ou “a medida de importância que atribuímos a bens e serviços”. Jesus ligou estes dois significados quando disse “onde estiver o seu tesouro, aí também estará o seu coração” (Mt 6.21). Uma aplicação prática deste princípio é que podemos facilmente descobrir aquilo que valorizamos (princípios) por meio das coisas que adquirimos (valor monetário). (No texto de domingo, vimos que Maria valorizou a Jesus acima do grande valor monetário do perfume que usou. Judas, no entanto, colocou o valor monetário acima do seu relacionamento com Cristo.)

Numa folha de papel, anote uma lista das suas despesas mensais em categorias básicas (moradia, automóvel, alimentação, educação, lazer, dízimos e ofertas, etc.). Responda as seguintes perguntas.

Quanto do seu orçamento mensal é gasto em atividades ou serviços que beneficiam diretamente ao reino de Deus ou outras pessoas além de você? (Não precisa ser um valor específico, mas em termos comparativos: a maioria do orçamento, quase nada, mais ou menos metade…etc.)

Quanto do seu orçamento mensal é gasto nas conveniências, o lazer ou entretenimento—atividades ou serviços para seu próprio benefício além das necessidades básicas?

Se você for completamente sincero, você diria que os seus gastos mensais apontam para uma vida que imita mais à Maria, ou ao Judas?

MENTES OCUPADAS

Dia 1

João 12.1-11

Dia 2

Mateus 26.6–13

Dia 3

Marcos 14.3–9

Dia 4

Lucas 7.36–50

Dia 5

Mateus 6.19–21

Dia 6

Mateus 27.1–10

Dia 7

Eclesiastes 5.10–17

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *