Dia dos Pais 2016

Clique aqui para visualizar o guia em PDF.

Ouvidos Atentos

Neste domingo, pensando no dia dos pais, estudamos apenas um versículo com uma mensagem muito rica e importante para os pais. Efésios 6.4 dá a seguinte instrução: “E vós, pais, não provoqueis à ira a vossos filhos, mas criai-os na doutrina e admoestação do Senhor”. Esta ordem encontra no contexto imediato de instruções para os filhos (vv. 1-3) e para os cônjuges (5.22-33), e no contexto maior do livro inteiro, que fala do plano eterno de Deus de unir todas as coisas em Cristo.

Observamos que é bem provável que a ordem aos pais é direcionada primeiramente aos homens, e não a ambos os pais (pai e mãe). Enquanto isso não livra a mãe desta responsabilidade, afirma mais uma vez a importância do homem como líder no lar e na criação dos seus filhos. Observamos em seguida que temos dois mandamentos para os pais; um negativo e um positivo.

O mandamento de não provocar os filhos à ira não se trata de mimar o filho, dando-lhe tudo que deseja para que não se zangue. De fato, a ordem já remete ao segundo mandamento do texto, pois a nossa ira está interligada ao nosso senso de justiça. Seu filho se ira quando julga a situação desfavorável aos seus desejos baseado no seu senso de certo e errado (justiça). Nós provocamos os nossos filhos à ira quando ensinamos e transmitimos qualquer justiça além da justiça santa e perfeita de Deus.

Por isso o mandamento de criar se torna tão importante. O verbo criar implica nutrir a criança—levá-la da infância à maturidade, desenvolvendo um adulto produtivo. No caso de cristãos, tem uma implicação maior, de levar a criança à eternidade, onde entende o seu destino eterno diante do Criador. A única forma de fazer isso corretamente é na disciplina (que implica uma educação que infunde os os valores dos mandamentos e princípios de Deus) e a admoestação (que significa uma confrontação verbal ou conselho que corrige e instrui na justiça de Deus). A frase “do Senhor” é importante, pois lembra que o conteúdo do nosso ensino e a maneira que ensinamos precisam refletir os valores e o caráter de Cristo.

Corações Abertos

Em seu livro O Coração da Ira, o autor Lou Priolo dá “25 maneiras pelas quais pais provocam os seus filhos à ira” (veja a lista na próxima seção), e nenhuma delas fala acerca de não dar ao filho o que ele deseja. O nosso coração é enganoso (Jr 17.9), portanto o nosso senso de certo e errado (justiça) também está equivocado. Os nossos desejos—até desejos corretos, quando se tornam excessivos—nos levam a brigas e contendas (Tg 4.1-10), até com os nossos filhos.

É por isso que precisamos entender o plano de Deus para a criação dos nossos filhos, e desenvolver um plano de ação para a nossa família.

Concluímos a mensagem de domingo com a seguinte declaração acerca do ensino de Efésios 6.4: A criação bíblica dos filhos é um plano deliberado que visa levar a criança à maturidade da fase adulta (e eterna), não guardando para si o seu próprio senso de justiça (ira), mas que entende a justiça santa e perfeita de Deus, pois foi educado com disciplina e confrontação verbal num ambiente que reflete o caráter manso e humilde de Cristo.

Cabe a nós fazer algumas perguntas pertinentes:

Será que eu tenho um plano deliberado de ação para criação dos meus filhos? O meu plano reflete os alvos e propósitos bíblicos? O meu plano é de longo prazo, que visa levá-los a maturidade, ou é de sobrevivência, que visa simplesmente chegar vivo ao final do dia?

O que eu estou ensinando aos meus filhos pelas minhas palavras, atitudes e comportamentos? A minha justiça, ou a justiça de Deus?

A maneira que eu ensino os meus filhos reflete os valores e o caráter de Deus?

O conteúdo do meu ensino, como também a forma que ensino, refletem o caráter manso e humilde de Cristo?

Mãos Estendidas

Use a seguinte lista (“25 Maneiras…” do Lou Priolo) como guia para avaliar a sua família. Para cada item, avalie e escreva um número de 1 a 5 para indicar a frequência que o item ocorre no seu lar. (1 = Muito infrequente; 5 = Muito frequente).

  • Falta de harmonia conjugal
  • Instituir e manter um lar onde a criança é o centro
  • Ser o exemplo de ira pecaminosa
  • Ter o hábito de disciplinar enquanto está irado
  • Repreensão
  • Ser inconsistente na disciplina
  • Ter padrões duplos
  • Ser legalista
  • Não admitir que está errado e não pedir perdão
  • Criticar constantemente
  • Pais invertendo as funções dadas por Deus
  • Não dar ouvidos à opinião dos filhos e não levar a sério o seu “lado da história”
  • Comparando-os aos outros
  • Não ter tempo “só para conversar”
  • Não elogiar ou encorajar seu filho
  • Não cumprir promessas
  • Disciplinar na frente dos outros
  • Não dar liberdade suficiente
  • Dar liberdade demais
  • Zombar de seu filho
  • Exagerar na disciplina física
  • Ridicularizar ou xingar
  • Expectativas irreais
  • Favoritismo
  • Educar os filhos com metodologias mundanas incompatíveis com a Palavra de Deus

Depois de reconhecer a presença destas coisas no seu lar, o próximo passo é desenvolver um plano de ação bíblico para resolver estes problemas no seu lar, um por um, começando pelos itens que ocorrem com mais frequência.

Mentes Ocupadas

Nossa leitura bíblica desta semana:

Dia 1

Efésios 5.22-33

Dia 2

Efésios 6.1-4

Dia 3

Colossenses 3.17-21

Dia 4

Deuteronômio 6.1-25

Dia 5

Provérbios 1.1-19

Dia 6

Provérbios 1.20-33

Dia 7

Tiago 4.1-10

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *