#Ovelha (3): Eu e o Pai Somos Um

Clique aqui para visualizar o guia em PDF.

Ouvidos Atentos

Neste domingo encerramos a minissérie #Ovelha, um estudo do capítulo 10 do evangelho de João. Depois de estabelecer o retrato do pastoreio de ovelhas nos vv. 1-5, Jesus usou a fórmula “Eu Sou…” duas vezes para se identificar com a metáfora. Primeiro afirmou, “Eu sou a porta das ovelhas” (vv. 7, 9), estabelecendo que Ele é a única salvação legítima das Suas ovelhas. Como vimos na segunda mensagem, Ele também declarou, “Eu sou o bom pastor” (vv. 11, 14); o bom pastor dá Sua vida pelas ovelhas, as conhece e é conhecido por elas.

Na mensagem de domingo estudamos os vv. 22-42, que começa com um pedido insincero dos fariseus: “Até quando nos deixará em suspense? Se é você o Cristo, diga-nos abertamente”. (v. 24). Insincero, pois eles já estavam convencidos que Jesus era um pecador por violar o sábado (9.16, 24), e procuravam apenas um motivo para justificar matá-lo (5.18; 7.1; 8.59). Além disso, eles estavam sendo incoerentes, pois já haviam declarado que Ele não podia testificar de si mesmo (8.13), mas agora pediam justamente isto dEle: diga-nos abertamente se é o Cristo!

Existem várias verdades nesta passagem, mas a resposta de Cristo pode ser resumida à frase: “Eu e o Pai somos um” (10.30). Novamente, a questão central, tanto da mensagem de Jesus como da queixa dos fariseus, é que Jesus estava se declarando igual a Deus. A unidade do Filho e do Pai é central à perseverança dos santos (falaremos mais deste assunto na seção Corações Abertos). Também é central à aceitação de Jesus como o Cristo, que é o tema central do evangelho (20.30, 31). Jesus argumenta que se Deus chamou de “deuses” mero homens a quem veio a Sua revelação, o que deve ser chamado Aquele que é a própria Revelação de Deus? É uma referência ao Salmo 82, onde Deus acusa os governantes da Terra, dizendo que embora reconhecidos como homens poderosos (“deuses”), eles eram, de fato “simples homens” que morreriam (vv. 6, 7). Jesus, acusado pelos fariseus de ser um “simples homem”, estava dizendo que não era nada menos do que o próprio Deus (Jo 10.34-36)!

Corações Abertos

“Eu já lhes disse, mas vocês não crêem. As obras que eu realizo em nome de meu Pai falam por mim, mas vocês não crêem, porque não são minhas ovelhas. As minhas ovelhas ouvem a minha voz; eu as conheço, e elas me seguem. Eu lhes dou a vida eterna, e elas jamais perecerão; ninguém as poderá arrancar da minha mão. Meu Pai, que as deu para mim, é maior do que todos; ninguém as pode arrancar da mão de meu Pai. Eu e o Pai somos um”.  

—João 10.25-30

Nesta passagem Jesus usou a metáfora das ovelhas para explicar algo negativo referente aos fariseus, e algo positivo referente às Suas ovelhas verdadeiras. Ambas as verdades são tremendamente importantes para o nosso entendimento da salvação em Cristo.

Primeiro, as más notícias… É fácil ler a afirmação de Jesus aos fariseus nos vv. 25-27 sem perceber um detalhe muito importante. Ele não disse que os fariseus se recusavam a crê nEle portanto não eram Suas ovelhas. (Ou, poderíamos dizer “não eram ovelha porque não creram”). Não, Jesus declara que a falta de fé deles vem do fato que eles não eram Suas ovelhas. Não tinham as qualidades de ovelhas verdadeiras: não ouviam a voz do bom pastor; não O conheciam, portanto não O seguiam! Não creram porque não eram Suas ovelhas! Que implicações esta verdade tem para o nosso entendimento da salvação?

Agora as ótimas notícias! A verdade acima pode parecer muito forte, pois somos fãs do livre arbítrio, mas considere as implicações positivas que Jesus ressalta logo em seguida: as ovelhas verdadeiras têm garantia de vida eterna; jamais perecerão! Ninguém é capaz de arrancá-las das mãos de Jesus. Como se não bastasse, também estão nas mãos de Deus Pai, e certamente é impossível arrancá-las das mão dEle! Mas tudo isso volta para a verdade que isso é possível somente porque “Eu o Pai somos um”! Você tem meditado recentemente sobre o fato que, como ovelha de Cristo, você tem vida eterna garantida? Como isso está transformando sua vida diária e o seu testemunho?

Mãos Estendidas

Vale a pena LER de novo! Quando estudamos sobre a salvação no ano passado, fizemos esse exercício. Agora que chegamos a João 10.27-30, convém lembrar de outros trechos que falam claramente da segurança da salvação que temos em Cristo.

Leia os seguintes trechos bíblicos, e responda: O que este trecho ensina sobre a certeza da salvação? Que palavras-chave apontam para a garantia de Deus sobre a salvação neste trecho?

Por exemplo: João 5.24—Eu lhes asseguro: Quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna e não será condenado, mas já passou da morte para a vida”. O versículo ensina que a vida eterna e a justificação são concedidas àqueles que ouvem a palavra de Jesus, e creem em Deus (fé). O verbo “tem” declara um ato feito. A frase “não será condenado” aponta para a justificação futura—não haverá condenação. Os dois falam de certezas. A frase “já passou” declara uma condição completa; não é futura, nem condicional—a mudança da morte para vida já aconteceu pela graça, mediante a fé naquele que crê.

Agora repita o exercício numa folha separada com as seguintes passagens.

João 10.27-30

Romanos 8.29-30

Romanos 8.35-39

Efésios 1.13, 14, 18-21

Filipenses 3.20-21

Hebreus 7.24-25

Judas vv. 24-25

Mentes Ocupadas

Nossa leitura bíblica desta semana:

Dia 1

João 10.11-21

Dia 2

João 10.22-42

Dia 3

Ezequiel 34.10-24

Dia 4

Salmo 28.1-9

Dia 5

Eclesiastes 12.11-14

Dia 6

Miqueias 5.2-5

Dia 7

Gálatas 2.17-21

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *