Jesus e a Festa dos Tabernáculos (4): Jesus, a Luz do Mundo

Clique aqui para visualizar o guia em PDF.

Ouvidos Atentos

Neste domingo, continuamos o nosso estudo de Jesus na festa dos tabernáculos em Jerusalém (João 7-8). O consenso de muitos estudiosos é que o texto de João 7.53-8.11 (a mulher adúltera) não se encaixa neste contexto da festa. (Existem vários motivos para esta conclusão, que estudaremos juntos com o texto em outro momento.) Sem esta passagem, vemos que a leitura apresenta uma narrativa contínua do 7.52 diretamente ao 8.12, indicando que os eventos do capítulo 8 também aconteceram durante a festa.

Jesus fez duas declarações “no último e mais importante dia da festa” (v. 37), ambas que correspondiam às duas tradições judaicas da festa: a cerimônia onde água do tanque de Siloé era despejada no lado do altar, e o acendimento de quatro grandes candelabros que iluminavam todo o monte do templo.

Primeiro, Ele convidou àqueles que tinham sede, que viessem e bebessem. Quem cresse nEle teria “rios de água viva” fluindo do seu interior (vv. 37-38). A segunda afirmação foi o ponto central do nosso estudo neste domingo. Depois da discussão gerada pela sua primeira afirmação (e o Seu ensino em geral), Jesus declarou, “Eu sou a luz do mundo. Quem me segue, nunca andará em trevas, mas terá a luz da vida” (8.12). Essa é a segunda declaração “ego eimi” de Cristo no evangelho, na qual Jesus estava se identificando com, e se igualando a, Deus, tomando o título divino de “Eu Sou” para si.

Identificar-se como a “luz do mundo” também remetia à divindade, pois lembrava das muitas imagens de luz no Velho Testamento ligadas a Deus, e a direção divina por meio da Sua Palavra. Os judeus ouvindo esta declaração entendiam que Jesus estava se associando à glória de Deus manifestada na coluna de fogo durante o tempo no deserto, como também à própria festa dos tabernáculos, que lembrava daquele tempo. Eles, porém rejeitavam a luz, porque amavam as trevas mais do que a luz, pois suas obras eram más (Jo 3.19). Ainda não sabiam que na eternidade chegará o dia em que não haverá mais sol, pois a presença de Deus iluminará os novos céus e a nova terra (Ap 22.5).

Corações Abertos

Vamos aplicar o que aprendemos à nossa vida espiritual. Você não precisa ser filósofo para lutar com as perguntas básicas apresentadas na filosofia: Quem sou eu? De onde vim? Para onde vou? É Interessante que, depois de declarar “eu sou”, Jesus disse “sei de onde vim e para onde vou. Mas vocês não sabem de onde vim nem para onde vou” (v. 14). Estudaremos mais sobre esta resposta na próxima mensagem, mas por ora é importante entender que ela está alicerçada na afirmação de que Ele é a luz do mundo. Ou seja, a iluminação necessária para que o homem tenha as respostas fundamentais da vida encontra-se na pessoa de Cristo.

Jesus declara que Ele é o próprio Deus. Parece que sempre batemos nesta mesma tecla, mas temos que entender que a deidade de Cristo é central a fé verdadeira. Ou Ele é Deus, ou Ele não é nada. Se cremos que Ele é Deus, Ele é a luz de Deus em nossa vida. E mais, João diz que nEle está a vida, e a vida (em Cristo) é a luz que procuramos! Você luta com alguma falta de entendimento? Que obstáculos estão obstruindo a passagem da luz para esta área da sua vida? O que Tiago 1.5 prescreve?

Jesus declara que Ele é a direção que devemos tomar. No Velho Testamento temos muitas ilustrações que apontam para Deus iluminando o caminho, diretamente, ou por meio da Sua Palavra. Você se sente perdido ou sem rumo em alguma área da vida? Tem procurado a direção que Deus oferece na Sua Palavra? Jesus não é apenas a luz que ilumina o caminho, Ele é o caminho também!

Jesus declara que Sua luz aponta para o pecado onde ele se encontra. Existe alguma coisa na sua vida que você tenta esconder de Deus e dos outros? O que impede a luz de Cristo entrar nestas áreas ocultas e escuras da sua vida?

Mãos Estendidas

Vamos considerar estas duas ilustrações espirituais de Jesus de forma prática.

A água viva (o Espírito Santo) remete à provisão espiritual. Quem tem sede, venha e beba (creia em Cristo). Quem crer não só terá a sede saciada, mas fluirá para que outros também bebam desta água.

A luz do mundo (Jesus) remete à iluminação (entendimento) e à direção (evitar pecado, trilhar o caminho correto). Para os cegos espirituais, Jesus oferece uma solução: crer nEle. Quem crer trilhará na luz, e não nas trevas. Terá entendimento da perspectiva de Deus, e saberá aonde ir (e aonde não ir).

Ambas as ilustrações apontam para fontes infindáveis e infinitas presentes na vida do crente. Se não tivermos água e luz invadindo todas as áreas da vida, não é por causa de escassez na fonte de água ou luz; é porque algo está impedindo a passagem delas.

Considere estes três obstáculos em relação à sua vida:

Falta de conhecimento. Você tem um hábito diário de ler e estudar a Palavra de Deus? Pense em alguma área de escassez espiritual da sua vida. Você sabe o que a Bíblia ensina referente àquela área? Que passos práticos você pode tomar a partir de hoje para ter mais conhecimento da Palavra?

Falta de entendimento. Você lê a Bíblia, mas não entende o que diz, ou como se aplica à sua vida? Deus deu a igreja como um centro de edificação mútua; você está usando esse recurso? Você lê bons livros que explicam coerentemente a Palavra de Deus?

Falta de aplicação pessoal. Ler e compreender são apenas os primeiros passos; é necessário implementar aquilo que aprendemos. Você já “decidiu fazer a vontade de Deus” para ver que aquilo que Ele diz é verdade (Jo 7.17)? Já tomou a decisão de obedecer à risca a Palavra de Deus, para depois entender como Deus usará para o seu bem (Rm 8.28)?

Mentes Ocupadas

Nossa leitura bíblica desta semana:

Dia 1

João 8.12-30

Dia 2

Êxodo 13.1-22

Dia 3

Salmo 36.1-12

Dia 4

João 1.1-14

Dia 5

João 3.16-19

Dia 6

1 João 1.1-10

Dia 7

Apocalipse 22.1-21

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *