Jesus, o Pão da Vida (5): As Palavras de Vida Eterna

Clique aqui para visualizar o guia em PDF.

Ouvidos Atentos

Neste domingo terminamos a nossa minissérie do pão da vida (João 6) examinando as reações daqueles que ouviram quando Jesus se declarou o pão da vida. O texto relata a reação de três grupos:

Primeiro, foram os judeus—o termo usado pelo Evangelista para falar dos líderes religiosos (fariseus, saduceus, escribas e peritos da lei). Além de atacar a declaração de deidade de Cristo (vv. 41, 42), também questionaram a Sua mensagem: “Como pode este homem nos oferecer a sua carne para comermos?” (v. 52). Tentavam desacreditar Suas propostas, fazendo-as ridículas pelo apelo à literalidade: “esse cara quer que a gente coma sua carne?” A resposta de Jesus nem tentou responder à sua ignorância, pois Ele declarou para eles com todas as letras que era necessário comer da Sua carne e beber do Seu sangue para ter vida eterna, garantir a ressurreição, permanecer nEle e ter união com o Pai.

Em segundo lugar, sua resposta escandalizou os Seus discípulos, que falavam entre si: “Dura é essa palavra. Quem consegue ouvi-la?” (v. 60). A resposta de Jesus para eles finalmente esclareceu: “comer Sua carne” e “beber Seu sangue” é um exercício espiritual; ou seja significa crer nEle. E embora seja responsabilidade de cada um crer nEle para a vida eterna, Ele novamente lembra que é Deus o responsável pela salvação: “É por isso que eu lhes disse que ninguém pode vir a mim, a não ser que isto lhe seja dado pelo Pai” (v. 65). Com isso fechamos os colchetes do discurso, pois a princípio muitos vieram atrás de Cristo (vv. 22-30), mas agora muitos deles pararam de segui-lO, e foram embora.

Finalmente, Jesus virou para os Doze e perguntou se eles não queriam ir embora também. A resposta de Pedro é importantíssima para entender a atitude correta do seguidor de Cristo: “Senhor, para quem iremos? Tu tens as palavras de vida eterna. Nós cremos e sabemos que és o Santo de Deus” (vv. 68-69).

Corações Abertos

É importante que entendamos claramente o que Jesus estava falando quando falou de comer Sua carne e beber o Seu sangue. Normalmente, o significado de um texto é determinado por seu sentido literal. Mas em casos como esse, onde é óbvio que Jesus não foi literalmente consumido por Seus discípulos, temos outra dinâmica acontecendo. Jesus mesmo explicou esta dinâmica espiritual quando falou, “O Espírito dá vida; a carne não produz nada que se aproveite. As palavras que eu lhes disse são espírito e vida” (v. 63).

Ou seja, Jesus não estava declarando que pessoas precisavam, literalmente, comer a sua carne e beber o seu sangue. Portanto a frase, “A carne não produz nada que se aproveite” (v. 62).

Jesus também não estava dizendo que os Seus seguidores deveriam ser “canibais rituais” ao comer e beber, simbolicamente a carne e o sangue dEle. A ceia que nós celebramos tem uma função memorial. Os elementos lembram o corpo e o sangue de Cristo, não se transformam neles. A nossa salvação, nem a permanência dela, dependem da ceia.

Você conhece alguém que acha necessário “comer a carne” e “beber o sangue” de Cristo desta forma? Você acha que consegue dar uma resposta se alguém assim usar esse texto para defender a sua prática?

Por outro lado, Jesus estava, de fato, falando sobre crer nEle. Ele é o pão da vida. Crer nesta mensagem era recebê-lO como alimento. A vida eterna é dada a quem comer do pão da vida (crer nAquele que foi enviado pelo Pai).

Jesus declarou várias vezes, e claramente, que a vida eterna vem àquele que crê nEle. Quando falou que consumir o pão da vida traz a vida, Ele estava igualando o comer do pão com o crer no Filho.

Este ensinamento é difícil para você? Será que se você estivesse presente naquele dia, você entenderia o que Ele estava dizendo? Você entende como ter toda a palavra de Deus nos ajuda a entender até declarações difíceis como esta?

Mãos Estendidas

Por que pessoas ainda não aceitam a Cristo?

Vimos no texto que pessoas religiosas não aceitam porque:

Não creem na Sua identidade ou não creem na Sua mensagem.

Você conhece alguém assim? Como você pode evangelizar esta pessoa? Que passos práticos vocês pode tomar para ajudar alguém assim a ver e crer no Filho de Deus?

Aprendemos que os falsos discípulos não aceitam porque:

Em algum ponto Ele não oferece aquilo que eles querem para segui-lO ou em algum ponto a Sua mensagem vai além do que podem aceitar.

Você conhece alguém assim? O ensino bíblico que “ninguém pode vir a mim, se o Pai, que me enviou, não o atrair” (Jo 6.44) significa que devemos desistir de alguém que “abandonou sua fé”? Que passos práticos vocês pode tomar para ajudar alguém assim a ver e crer verdadeiramente no Filho de Deus?

Os verdadeiros discípulos aceitam porque:

Estão desesperados: não veem outra solução possível, e creem que Ele é o único que tem a mensagem que dá vida eterna. Eles ouvem a mensagem, creem, e portanto sabem.

Você é assim? Você entende que as únicas respostas para a “vida e santidade” (2 Pe 1.3) estão nas palavras da vida eterna que Cristo oferece? Isto está permeando todas as áreas da sua vida? Como isso tem se manifestado no seu testemunho para aqueles que não conhecem a Cristo ainda?

Bônus. Leia Mateus 13.10-17 e responda: o que Jesus ensinou aos Seus discípulos a respeito das parábolas que nos ajuda a entender por que Ele faria declarações tão literais que precisavam ser interpretadas espiritualmente?

Mentes Ocupadas

Nossa leitura bíblica desta semana:

Dia 1

João 6.1-15

Dia 2

João 6.16-21

Dia 3

João 6.22-30

Dia 4

João 6.31-51

Dia 5

João 6.52-71

Dia 6

Deuteronômio 8.1-6

Dia 7

Mateus 13.10-17

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *