Jesus e a Mulher Samaritana (5)

Clique aqui para visualizar o guia em PDF.

Ouvidos Atentos

Neste domingo, na nossa série sobre o evangelho de João, “Podes Crer”, continuamos estudando o encontro de Jesus com a mulher samaritana (João 4.1-42).
Na semana passada vimos que a conversa deles alternava entre as esferas física/material e espiritual/imaterial. Jesus, usando a água do poço como ponte, falou de água viva espiritual; a samaritana, não entendendo a verdade espiritual, sempre voltava para o aspecto físico. Assim, quando ela pediu a água espiritual para saciar sua sede física, e para não ter a inconveniência de buscar a água do poço, Jesus mudou o assunto para outra coisa terrena: os relacionamentos da samaritana. Ele pediu que ela chamasse o seu marido. Quando ela disse que não tinha marido, Jesus pôde usar a declaração dela para demonstrar que Ele tinha conhecimento que uma pessoa comum não teria: que ela já teve cinco homens em sua vida, e que o homem com quem ela convivia não era o marido dela.
Isso a levou a deduzir que Ele era um profeta. Mas ela ainda estava presa ao físico, mesmo na sua espiritualidade. Ela levantou a questão de localidade: se Ele era profeta, qual a opinião dEle sobre o lugar correto de adoração: Monte Gerizim (o monte sagrado dos samaritanos), ou em Jerusalém (no templo dos judeus)? Jesus a confrontou com uma nova verdade: não há lugar físico para a adoração; Deus é espírito, portanto os verdadeiros adoradores O adoram em espírito e em verdade. A mulher samaritana estava beirando a verdade salvadora, mas ainda estava presa à religiosidade e o ritual. Jesus derrubou mais uma barreira, demonstrando que a verdadeira fé não está ligada ao ritual, mas ao espiritual.

Corações Abertos

Pare um pouco e pense: Quando lemos sobre a mulher samaritana, podemos expressar uma atitude superior (“ainda bem que não sou tão ignorante”); ou uma atitude de dó (“tadinha, ainda pensa assim…”). É fácil julgá-la por seu conhecimento limitado. É fácil olhar para outras pessoas como sendo de alguma forma inferiores porque estão presas a alguma forma externa de religiosidade.

Mas devemos considerar pelo menos duas coisas:

1) Sem a graça de Deus, nós estaríamos na mesma situação;

2) É possível que, mesmo salvos, nós ainda carregamos alguns resquícios daquele pensamento.

Como podemos continuar pensando como a samaritana? Talvez não seja que achamos que só há um lugar sagrado para adorar a Deus, mas como podemos expressar limitações no nosso entendimento da verdadeira adoração?

Sua adoração é em espírito e em verdade? Existe alguma área da sua vida que você ainda distingue entre o secular e o sagrado?

Algum aspecto da sua vida que você trata como se fosse só seu; onde Deus não está?

Quando limitamos a nossa adoração, e portanto a nossa caminhada cristã, nós estamos agindo como pessoas pagãs: ou estamos vivendo como se Deus não existisse ali naquele momento ou situação (ateísmo), ou como se Ele fosse limitado a uma área ou algum aspecto (idolatria, que faz um deus conforme a nossa imagem).

Jesus iluminou o sistema de crença daquela mulher com a verdadeira luz; não a deixou na escuridão. Você está pronto e disposto a brilhar a verdade na escuridão espiritual da sua vida e a vida dos outros?

Mãos Estendidas

Durante a mensagem, falamos como este estudo de João 4 tem sido aplicável e relevante a várias situações atuais do nosso tempo:

• Falamos sobre vencer preconceitos em Cristo, e o mundo está lidando com o preconceito na situação dos refugiados sírios.

• Falamos de água viva, e o Brasil está enfrentando a sede física das pessoas de Mariana e outra cidades em Minas Gerais.

• Falamos de fontes de recursos divinos jorrando para a vida eterna, e na IBABI a família do Zé Luis que está precisando diariamente destes recursos para lidar com a sua situação.

Considere como as verdades bíblicas deste texto (João 4.1-26) podem ser aplicadas à sua vida e à vida daqueles à sua volta.

Complete estas frases:

O estudo da mulher samaritana tem me ensinado as seguintes verdades sobre Deus (ou Jesus Cristo): ___________

As verdades deste estudo são relevantes e aplicáveis às seguintes áreas da minha vida: _____________________

A atitude de Jesus com a mulher samaritana tem me motivado a pensar e agir com outras pessoas das seguintes maneiras:

Mentes Ocupadas

A nossa leitura bíblica desta semana:

Dia 1

João 4.1-42

Dia 2

Ezequiel 36.16.32

Dia 3

Salmo 96.1-11

Dia 4

Colossenses 3.14-17

Dia 5

Romanos 12.1-2

Dia 6

Hebreus 12.14-29

Dia 7

Salmo 29.1-11

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *